O DIÁLOGO DO DIREITO DO TRABALHO COM A TEORIA ORGANIZACIONAL: A CRÍTICA DO TRABALHO SUBORDINADO NA CRÍTICA FILOSÓFICA DA MODERNIDADE - DOI: 10.12818/P.0304-2340.2020v76p213

Everaldo Gaspar Lopes, Fernanda Barreto Lira

Resumo


Este artigo pretende estabelecer uma análise crítica sobre a teoria jurídico-trabalhista clássica, a qual, ao não dialogar com a teoria organizacional crítica, não enfrenta a obsolescência dos argumentos incorporados pela velha doutrina acerca do trabalho subordinado. Do mesmo modo, sem as versões analíticas forjadas pela teoria jurídico-trabalhista crítica, não é possível identificar os rituais do sofrimento a as mortes lentas no contexto do trabalho contemporâneo. Ou sequer é possível saber que o adoecimento decorrente do trabalho forjado no interior das organizações jamais será eliminado, enquanto houver a subordinação da força do trabalho ao capital. Por fim, busca-se aprofundar analiticamente a narrativa proposta, ao apresentar a crítica do trabalho subordinado na crítica filosófica de modernidade.


Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO & HORKHEIMER. Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

ANDRADE, Everaldo Gaspar Lopes de. O Direito do Trabalho na Filosofia e na Teoria Social Crítica. Os sentidos do trabalho na cultura e no poder das organizações. São Paulo: LTr, 2014.

BENDASSOLINI, Pedro. Prefácio. O mal-estar na sociedade de gestão – e a tentativa de gestão do mal-estar. In: GUALEJAC, Vicent. Gestão domo Doença Social – Ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. Aparecida-SP: Ideias & Letras, 2007, pp. 7-21.

ANTUNES, Ricardo. Karl Marx. Processo de trabalho e valorização. In: ANTUNES, Ricardo. A Dialética do Trabalho. Escritos de Marx e Engels. São Paulo Popular, 2004, pp. 32-40.

ARISTÓTELES. A Política. São Paulo: Atena, 1955.

__________. A Moral a Nicómaco. Madrid: Espasa Calpe, 1995.

CHAUI, Marilena. Revista Transformação. Vol. 34 no.spe Marília, 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-317322011000300008

________________. Universidades devem entender que fazem parte da luta de classe. Rio de Janeiro: http://www.brasildefato.com.br

____________. Introdução. In: LAFARQUE, Paul. Direito à Preguiça. São Paulo: Hucitec, 1999.

¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬

___________. Cultura e Democracia. São Paulo: Cortez, 1993.

CORTINA, Adela. Ética Aplicada e Democracia Radical. Madrid: Editorial Tecnos, 1993.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A Nova Razão do Mundo. Ensaio sobre a Sociedade Neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DAL ROSSO, Sadi. Mais Trabalho: a intensificação do labor na sociedade contemporânea. São Paulo: Boitempo, 2008.

SAFATLE, Vladimir; JUNIOR, Nelson da Silva, DUNKER, (0rgs.). Patologias do Social. Arqueologias do sofrimento psíquico. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018.

FREUD, Sigmund. O mal-estar na cultura. Porto Alegre, RS: L&PM, 2010.

FRIEDMANN, Georges. O Trabalho em Migalhas. São Paulo: Editora Perspectiva, 1972.

FRIEDMAN, G.; NAVILLE, P (Org.). Tratado de Sociología del Trabajo, vol. II. México: Fondo de Cultura Económica, 1978.

LACOMBE, Francisco. A Educação e a Meritocracia. Disponível em: .

GORKI, A. A Mãe. Lisboa: Europa-América, 1973.

GUALEJAC, Vincent. Gestão como Doença Social. Ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. Aparecida: SP: Idéias & Letras, 2007. Annablume, 2007.

HEGEL, Friedrich. Princípios da Filosofia do direito. Lisboa: Martins Fontes, 1976.

_______________. Anti-Dühring. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976, PP. 75 e 96.

LIRA Fernanda Barreto. A Greve e os Novos Movimentos Sociais. Para além da dogmática jurídica e da doutrina da OIT. São Paulo: LTr, 2009.

______________. Meio ambiente do trabalho e enfermidades profissionais: os rituais do sofrimento e a morte lenta no contexto do trabalho livre/subordinado. Tese de Doutorado. Texto avulso, 2015.

MARCUSE, Herbert. Cultura e Sociedade. vol. 2. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

__________________________________. Ideologia da Sociedade Industrial. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1967.

___________. Sobre os fundamentos filosóficos do conceito de trabalho da ciência econômica. In: MARCUSE, Herbert. Cultura e Sociedade. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1998.

LUKÁCS, György. Ontologia del Ser Social. El Trabajo.Buenos Aires: hierramienta, 2004.

_____________. Socialismo e democracia. Escritos Políticos (1956-1971). Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2008.

MARX, Karl. O Capital, Livro I. São Paulo: Boitempo, 2016.

_________Crítica ao Programa de Gotha. In. ANTUNES, Ricardo (org). A Dialética do Trabalho. Escritos de Marx e Engels. São Paulo: Expressão Popular, p. 126.

__________ 1983: 149-150. In LESSA, Sérgio: Trabalho e proletariado no capitalismo contemporâneo. São Paulo: Cortez, p.131.

NIETZSCHE, F. Humano. Demasiadamente Humano. Madrid: A.L. Mateos, 1993.

RUSSELL, B. Elogio ao Ócio. Rio de Janeiro: Sextante, 2002.

SARTORI, LMA (Org.). Encíclicas do Papa João Paulo II. São Paulo: LTR, 1996.

SELIGMANN-SILVA, Edith. Trabalho e Desgaste Mental: o direito de ser dono de si mesmo. São Paulo: Cortez, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN Eletrônico: 1984-1841

ISSN Impresso: 0304-2340