img01.jpg

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) estuda a implantação da digitalização de processos cíveis. A ideia foi apresentada pelo o diretor executivo de Suporte à Prestação Jurisdicional (Dirsup), Michel Salomão, e pela diretora da Secretaria de Padronização e Acompanhamento da Gestão Judiciária (Sepad), Consuelo Alvim, em reunião no dia 21 de agosto.  De acordo com os diretores, o projeto consiste na digitalização dos processos físicos cíveis que chegam ao Tribunal em grau de recurso, provenientes, em princípio, das comarcas que já possuem o Processo Judicial eletrônico (PJe). Eles seriam julgados eletronicamente e devolvidos para as comarcas também de forma virtual. Rapidez e segurança na tramitação dos processos, redução de gastos materiais, utilização do teletrabalho e aumento da produtividade seriam as vantagens da digitalização dos processo, além da redução do espaço físico necessário para o funcionamento das varas e a diminuição de gastos com computadores e mobiliário. Uma comissão irá estudar a viabilidade do projeto, e foi marcada uma nova reunião para 12 de setembro. Estavam presentes na reunião de apresentação do projeto, no dia 21, o 1º vice-presidente do TJMG, desembargador Geraldo Augusto, o corregedor-geral de justiça, desembargador André Leite Praça, o desembargador Wilson Almeida Benevides, juízes auxiliares e gestores das áreas que seriam responsáveis pela implantação e consolidação do projeto.

Fonte: site do TJMG